domingo, 23 de abril de 2017

SAAB testa um caça Gripen fazendo uso de 100% do biocombustível pela primeira vez


Por: Redação OD

A SAAB tem realizados uma série de testes utilizando um caça Gripen como plataforma, fazendo uso de 100% do biocombustível, para comprovar que a aeronave pode voar com um combustível alternativo e ao mesmo tempo está sendo fornecido informações valiosas para o possível uso de um combustível alternativo no futuro.  "Os teste provaram que o Gripen pode voar com 100% de biocombustível, isso é um passo importante para tornar o Gripen mais seguro para o futuro", diz Göran Bengtsson, Diretor de Pesquisa e Tecnologia, de Futuro Negócios e Aviação da SAAB. 

Ter uma fonte diferente da atual de combustíveis, seria mais ou menos como “ganhar a independência de importações de petróleo”, algo que é muito importante do ponto de vista da defesa e abre caminho para fontes adicionais de combustíveis, criando uma grande flexibilidade. Isso se torna bom se a médio/longo prazo, possa vir a contribuir também para a redução no impacto ambiental".



Esta foi a primeira vez que uma aeronave de combate voou com 100% de biocombustível. Os voos foram realizados com um caça Gripen D nas instalações da Saab em Linköping e foram completos como o planejado. "O teste não apresentou diferenças entre o biocombustível e o combustível normal, isso significa que o biocombustível pode ser usado como uma alternativa completamente satisfatória para as aeronaves Gripen como combustível normal, " diz Göran Bengtsson. 

O emprego do biocombustível em serviço operacional com o Gripen exigirá, no entanto, a certificação adicional deste tipo de  combustível, onde o acesso a quantidades que possam vir a corresponder às necessidades operacionais seja satisfatórias". O combustível testado (CHCJ-5) é feito a partir de óleo da colza (Canola). A aeronave não faz distinção quanto ao tipo, para ela não importa saber se o combustível é baseado em petróleo bruto ou em óleo vegetal.

O combustível deve sim, cumprir os mesmos requisitos, independentemente da matéria-prima. A Administração Sueca de Material de Defesa (FMV) está por de trás do projeto, que ainda tem a Saab Aerospace e GKN, que produz o motor (RM12) para o Gripen C/D, como parceiras. Através de um acordo bilateral entre a Suécia e os Estados Unidos, a Marinha dos Estados Unidos (USN) e a Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) também têm contribuído com um valioso conhecimento para a certificação dos biocombustíveis.

FONTE: SAAB
Postar um comentário